Thursday, April 27, 2017




I can't keep myself from evil
I can't keep myself from evil
I can't keep myself from evil
I can't keep myself from evil

I can't keep myself from evil
I can't keep myself from evil
I can't keep myself from evil
I can't keep myself from evil

Friday, March 03, 2017

Sunday, February 05, 2017



Eu sabia que a inocência é cúmplice do mal; ignorava apenas onde atam ambos o seu nó estrangulador.


Herberto Helder, Os Passos em Volta, pág. 78

Saturday, February 04, 2017

Talvez entre o amor e o mundo haja uma chaga pior - a memória mortal. Mas como pode a memória ser assim tão esperta e implacável, tão acerba, renovando continuamente o instante completo, o crime completo até dentro, tudo: o impulso nascido da mais obscura intransigência, o gesto que exprime inteiramente a biografia, ou o poder do coração que não deixou escapar uma única parcela da atrocidade e da ciência? E renova também o vertiginoso arrepio do espectáculo: o corpo onde a ferida muito entranhadamente talha a carne em duas.


Herberto Helder, Os Passos em Volta, págs. 79-80.

Tuesday, January 17, 2017

10






















(resta-me apenas a imagem do teu corpo exausto em cima do coração, da tristeza da despedida, da luz débil que se prolongou nesse ano. já não dói.)

Saturday, January 07, 2017

keine Schönheit ohne Gefahr




Once again
at the edge
so close to the edge
ready
from one or the other
side to fall
damned fall
damned fall
don't grab on
listen!
no beauty without danger
without danger
no beauty without danger
without danger
danger
at the edge
damned fall
fall
fallen
fallen without danger
no beauty without danger
no beauty without danger
and no love
also no love
without danger
without danger
without danger

Blixa Bargeld

Saturday, November 19, 2016

"leaving nothing behind"

[Not quite right, not quite fun, not quite interesting, not quite drunk, not quite visible, not quite alive. Moderadamente útil, moderadamente a jeito. 
Fuck you universo! Nada te basta para pagar a estadia.]


Wednesday, November 02, 2016




"há audácias que aparam o teu gesto, as poeiras que levantam as palavras"

Sunday, October 23, 2016


[sangro em frases curtas no silêncio sufocante da distância, da solidão. em tempos os cortes , agora a agonia. não acaba nunca esta luta dentro da pele.]


Thursday, October 20, 2016

num assomo, de olhos postos no sofá e no eléctrico nocturno que decora a parede, percebo, finalmente, ser orfã de pais vivos, ou de colo que nunca chegou a ser. 
maracujá nascido e caído da figueira. a mesma que, ao fundo do quintal, tomba milímetros a cada ano que passa e só lembra o passado.

Saturday, October 15, 2016

Corri bastante mundo e aprendi que todos os sangues são bons e iguais, mas é por isso que a certa altura nos cansamos e procuramos criar raízes, arranjar uma terra, para que o nosso sangue valha e dure algo mais do que uma vulgar mudança de estação.



Cesare Pavese, A Lua e as Fogueiras​